Homepage
Historial Novas Produções Espectáculos em Repertório Escola da Máscara Festival de Máscaras e Comediantes
· "A História do Tigre"
· "Os Monstros Sagrados"
· "Portugal Naif"
· "Monstros em Cuecas"
· "As Aventuras de João Padão à Descoberta da América"
· "Surtida de Caretos"
· "A Construção"
· "Monstros III - O Regresso"
· "As Mulheres de Gil Vicente"
· "Andorinhas Ingénuas"
· "Münchhausen - As Maravilhosas Aventuras e Viagens do Barão por terra e Mares"
· "Monstros Com Sagrados"
· "A Dança do Diabo"
· "Commedia all'Improviso"
· "O Concerto"
· "Fora para dentro à volta do centro"
· "Perdido entre carta e selos"
· "Os Três Cabelos de Ouro do Diabo"
· "O Santo Jogral Francisco"
· "As Desventuras de Isabella"
· "Otário Doing em Portugal"
· "Arlequim Servidor de Dois Amos"
· "Monstros às Escuras"
· "A Commedia que se julgava que estava morta"
· "Otário Doing Again"
· "O 1º Milagre do Menino Jesus"

A Dança do Diabo

"História cómica e fantástica!… um banco e uns trapos e em cena um louco que diz o que lhe passa pela cabeça! E diz o que lhe passa pela cabeça, porque não quer começar o seu espectáculo. Porque tem medo de começar o seu espectáculo…" citação do prólogo de "A Dança do Diabo"

A Dança do Diabo é um texto que foi escrito e representado por Philippe Caubère depois de ter improvisado sob a direcção de Jean-Pierre Taillhade e de Clémence Massart. Consiste numa história cómica e fantástica, algo biográfica, da qual o autor é o protagonista assumindo o nome de Ferdinand. Em Junho de 1981 o público português teve oportunidade de assistir a este espectáculo então apresentado no Teatro Nacional Dona Maria.

Philipe Caubére foi um dos actores carismáticos do Théâtre du Soleil, tendo herdado toda uma técnica de representação resultante do seu trabalho com Ariane Mnouchkine.

A escolha deste texto e deste autor insere-se na corrente de espectáculos que tenho vindo a encenar e representar onde um único actor em palco recria, graças a uma técnica que se inspira na Commédia dell'Arte e nos contadores de histórias, todo um universo de personagens e lugares socorrendo-se apenas da sua arte de representação.

Na linha dos monólogos de Dario Fo, este é um trabalho que me permite abordar uma outra vertente da linhagem de jograis dos nossos tempos: aquela que foi aberta pelo trabalho pioneiro de Ariane Mnouchkine e do Théâtre du Soleil.

A interpretação deste monólogo estará a cargo de Joaquim Nicolau, discípulo da Técnica da Máscara e ex-Actor da Meia Preta.

Home Top
Equipa | Links | Contactos