Homepage
Historial Novas Produções Espectáculos em Repertório Escola da Máscara Festival de Máscaras e Comediantes
· "A História do Tigre"
· "Os Monstros Sagrados"
· "Portugal Naif"
· "Monstros em Cuecas"
· "As Aventuras de João Padão à Descoberta da América"
· "Surtida de Caretos"
· "A Construção"
· "Monstros III - O Regresso"
· "As Mulheres de Gil Vicente"
· "Andorinhas Ingénuas"
· "Münchhausen - As Maravilhosas Aventuras e Viagens do Barão por terra e Mares"
· "Monstros Com Sagrados"
· "A Dança do Diabo"
· "Commedia all'Improviso"
· "O Concerto"
· "Fora para dentro à volta do centro"
· "Perdido entre carta e selos"
· "Os Três Cabelos de Ouro do Diabo"
· "O Santo Jogral Francisco"
· "As Desventuras de Isabella"
· "Otário Doing em Portugal"
· "Arlequim Servidor de Dois Amos"
· "Monstros às Escuras"
· "A Commedia que se julgava que estava morta"
· "Otário Doing Again"
· "O 1º Milagre do Menino Jesus"

História do Tigre

"A História do Tigre" estreou-se em Janeiro de 1991 no Teatro da Comuna, tendo depois sido apresentada no Teatro Estúdio Mário Viegas. Foi devido ao êxito que este espectáculo encontrou junto da crítica e do público que a Meia Preta ascendeu ao primeiro plano do panorama teatral português.

O texto de Dario Fo, inspirado no teatro popular e marginal chinês, conta a história de um soldado que durante a Grande Marcha é ferido e se refugia numa gruta nos Himalaias. Aí o soldado encontra uma tigresa mais o seu filhote e graças ao Tigre consegue sobreviver.

O Tigre para os chineses tem um significado simbólico preciso: diz-se que uma mulher, um homem, um povo, "têm o Tigre", quando frente a grandes dificuldades, no momento em que a maior parte foge, eles pelo contrário persistem, aguentam e resistem.

Com a ajuda de uma Máscara Balinesa, o texto e a situação do contador de histórias prestam-se a uma demonstração prática da Técnica da Máscara, nas suas potencialidades gestuais e interpretativas.


O que disse a crítica...

“Um hino à alegria da arte de representar”
Eugénia Vasques - Expresso

“Um poderoso e privilegiado momento de teatro”
Tito Lívio - Capital

“Um homem e um tapete num trabalho antológico e antropológico que tem como base o teatro completo: a sabedoria da gestualidade, a linguagem onomatopaica, a arte da máscara”
Anabela Mendes - Público


Ficha Artística

Autor: Dario Fo • Tradução, Encenação e Interpretação: Filipe Crawford • Máscara: Bali (autor anónimo) • Figurino: Rosa Freitas • Música: Stephan Micus "Twilight fields" • Selecção Musical: André Gago • Desenho de Luz: Filipe Crawford e Nuno Gomes • Operação de Luz e Som: Nuno Gomes • Fotografia do Cartaz: Nadja • Produção: FC Produções Teatrais

Mais informações

R. São Francisco de Borja, 22 - Tel.: 21 395 94 17/8 Fax: 21 395 94 19
Email: info@filipecrawford.com

Home Top
Equipa | Links | Contactos