Homepage
Historial Novas Produções Espectáculos em Repertório Escola da Máscara Festival de Máscaras e Comediantes
· "A História do Tigre"
· "Os Monstros Sagrados"
· "Portugal Naif"
· "Monstros em Cuecas"
· "As Aventuras de João Padão à Descoberta da América"
· "Surtida de Caretos"
· "A Construção"
· "Monstros III - O Regresso"
· "As Mulheres de Gil Vicente"
· "Andorinhas Ingénuas"
· "Münchhausen - As Maravilhosas Aventuras e Viagens do Barão por terra e Mares"
· "Monstros Com Sagrados"
· "A Dança do Diabo"
· "Commedia all'Improviso"
· "O Concerto"
· "Fora para dentro à volta do centro"
· "Perdido entre carta e selos"
· "Os Três Cabelos de Ouro do Diabo"
· "O Santo Jogral Francisco"
· "As Desventuras de Isabella"
· "Otário Doing em Portugal"
· "Arlequim Servidor de Dois Amos"
· "Monstros às Escuras"
· "A Commedia que se julgava que estava morta"
· "Otário Doing Again"
· "O 1º Milagre do Menino Jesus"

"O Santo Jogral Francisco"

Sinopse

É inegável hoje reconhecer que Francisco de Assis foi o Santo mais branqueado da igreja. Os seus pensamentos, as suas novas ideias sobre o cristianismo foram lançadas à fogueira como se fossem escritos blasfemos, e durante séculos assim perduraram nas chamas. Até que muitos dos seus irmãos franciscanos, firmes defensores da regra original do Santo, os fizeram ressurgir, revelando-o como referência e figura incontornável, não só da Igreja mas também do mundo Ocidental.

Defensor da natureza, dos animais e pioneiro de questões ecológicas e pacifistas (hoje, e cada vez mais, tão prementes e actuais), Francisco de Assis assumia-se como um jogral - coisa que na Idade Média era uma ousadia e uma afronta, sobretudo para alguém que descendia de famílias ricas e influentes, como era o caso.

Sabia comunicar com o corpo e "do corpo fazia palavra", como um cronista da época o descreveu. Sabia usar a voz e projectá-la para multidões de milhares de pessoas, ora no mercado de uma praça, ora em campo aberto.

Partindo de textos canónicos ou fábulas populares, Dario Fo (Prémio Nobel da Literatura 1997) escreveu, no seu estilo encantador e subversivo, aquela que é até ao momento a sua última peça de teatro.

São cinco episódios da vida do Santo de Assis interpretados por Filipe Crawford, actor que tem vindo a dar especial realce à obra de Fo, onde A História do Tigre (Prémio Especial Garrett 1991), O 1º Milagre do Menino Jesus e Outras Histórias e João Padão à Descoberta da América são bem exemplo disso.


O que disse a crítica

“Este monólogo é trabalhado em pelo menos três níveis de representação. Como narrador, actor que apresenta o espectáculo, o próprio Francisco de Assis, várias personagens que se vão relacionando com o Santo Jogral e outras que vão subindo ao palco nas várias histórias que o santo interpreta num trabalho multifacetado de teatro dentro do teatro.”
Cultura - Jornal de Notícias

“Um grande monólogo dramático, de um dramaturgo genial, interpretado soberbamente por um comediante de eleição bem dirigido. Sinceramente, a não perder.”
Fernando Midões - Notícias da Amadora

Ficha Artística/Técnica

Autor: Dario Fo
Tradução: Elsa Castro Neves
Encenação: Nuno Pino Custódio
Espaço Cénico e Figurinos: Teresa Cabral Mocarski
Música Original e Sonoplastia: Fernando Mota
Desenho de Luz: Nuno Gomes e Nuno Pino Custódio
Design Gráfico: Teresa Cabral Mocarski
Execução dos Cenário e Figurinos: PAPE 5, Lda.
Operação de Luz e Som: Nuno Gomes
Produção: FC Produções Teatrais
Interpretação: Filipe Crawford

Uma Produção FC Produções Teatrais

Direcção: Filipe Crawford
Gestão Administrativa e Coordenação de Produção: Paula Fernandes
Produção Executiva: Teresa Rouxinol
Coordenação Técnica: José Manuel Marques
Operação Técnica: Nuno Gomes
Assistência Técnica: Nuno Abreu
Design de Comunicação: Carlos Francisco

Mais informações

R. São Francisco de Borja, 22 - Tel.: 21 395 94 17/8 Fax: 21 395 94 19
Email: info@filipecrawford.com

Home Top
Equipa | Links | Contactos